Oficinas


Oficina de Trilha Sonora

A oficina de Trilha Sonora propõe trazer uma abordagem ampla da interação som/imagem, através das interfaces narrativas entre a música e o cinema, desde o cinema silencioso aos dias de hoje, em várias cinematografias. Voltada para estudantes e profissionais em música, cinema, TV, teatro, comunicação social, a oficina visa trabalhar na teoria e prática o processo de criação e sincronização de uma trilha a um filme, em ficção e documentário.

Instrutor: David Tygel

David Tygel - Oficina de Trilha Sonora

David Tygel é músico, compositor, diretor musical, cantor e professor. Formado em Licenciatura em Música, com Especialização em Educação Musical, atualmente leciona em diversos cursos de extensão da PUC-Rio e no curso de Música para Cinema e TV do Conservatório Brasileiro de Música. Integra o grupo vocal Boca Livre desde a sua criação em 1979. Foi professor convidado da Escuela de Cinema de Los Baños em Cuba, e do Instituto M_EIA de Cabo Verde. Deu palestras na PUC/Santiago do Chile, no CCC da Cidade do México. Compôs as trilhas de trinta e cinco longas metragens, entre eles: “O Homem da Capa Preta” (1986), dirigido por Sérgio Rezende e o documentário “O homem pode voar” (2006) dirigido por Nelson Hoineff. Sua filmografia compreende ainda curtas metragens como: “Trancado por Dentro” (1989), com direção de Arthur Fontes, “Como se Morre no Cinema” (2002), dirigido por Luelane Loyola, entre outros.

 

Data: 02 a 04/06
Local: Cine Santa Clara
Horário: 09H a 13H


Oficina de Figurino

A oficina de Figurino visa levar o aluno a aprender todos os processos que envolvem a criação de figurino e o funcionamento do departamento nas filmagens (set e camarim). Tanto a parte artística de criação (interpretação do roteiro, criação das personagens, desenhos dos croquis, escolha das cores, tecidos etc.) como a parte técnica (decupagem de roteiro, envelhecimento de peças, continuidade, organização de camarim) serão tratados no decorrer da oficina.

Instrutor: Joana Gatis

Joana Gatis - Oficina de Figurino

Natural de Caruaru, Joana Gatis iniciou sua carreira mesclando as funções de figurinista e direção de arte para teatro, TV (Band, Record, TV Brasil, TV Cultura, MTV) e shows. Estreou no campo cinematográfico como figurinista no longa metragem “Baixio das Bestas” (2006) a convite do diretor Cláudio Assis. Além desse trabalho, Joana participou de “Cores” (2011), de Francisco Garcia; “Meninos de Kichute” (2008), dirigido por Luca Amberg; “Se nada Mais der Certo” (2007), com direção de José Eduardo Belmonte; exemplos expressivos da participação da figurinista no cinema brasileiro. A lista de curtas metragens é bastante ampla, incluindo “Au revoir” (2013), dirigido por Milena Times; “Cordel” (2013), com direção de Lírio Ferreira; “Até logo” (2012), de Milena Times; “Vento” (2009), dirigido por Márcio Salém; além de “Na Mira” (2007), com direção de Ricardo Guidara, entre outros.

Data: 02 a 04/06
Local: Auditório Sosígenes Costa
Horário: 09H a 13H


Oficina de Continuidade

A continuidade surge com o próprio fazer cinematográfico, por isso, a oficina de Continuidade objetiva mostrar todo o processo de ordenação do conjunto de acontecimentos narrados numa determinada dimensão espaço-temporal. Para tanto, busca compartilhar os modos de fazer os boletins de montagem, que relatam como uma cena é filmada, o tempo e o espaço que decorrem dentro da trama, bem como suas particularidades e coerências determinadas pelo diretor. No decorrer da oficina serão abordados temas relacionados à como fazer a decupagem de um roteiro; como minutar uma cena; informações pertinentes aos boletins de continuidade; além de evidenciar qual a importância da montagem para o continuísta e a continuidade.

Instrutor: Inajara Diz

1901847_265281140313253_1894289917_n

Inajara Diz desempenhou a função de continuísta nos curtas metragens: “Menino da Gamboa” (2014), com direção Rodrigo Luna e Pedro Perazzo; “O Velho e os Três Meninos” (2012), dirigido por Henrique Filho; “Desvelo” (2011), dirigido por Clarissa Rebouças; “Olho de Boi” (2009), com direção de Diego Lisboa. Além disso, foi continuísta no longa metragem “A Pelada” (2011), produção franco-belga-brasileira do diretor Damien Chemin, e estagiária da continuidade no premiado Capitães de Areia, dirigido por Cecília Amado.


Data
: 02 a 04/06
Local: Auditório Fernando Leite – Casa de Jorge Amado
Horário: 09H a 13H